Como funciona o FirstMile, programa usado pela Abin para espionar pessoas?

Tecnologia israelense foi usada de forma ilegal para monitorar celulares de políticos, policiais, jornalistas e juízes.

Por Ana Thereza
Publicado em 26 de janeiro de 2024 às 16:18
...

A Polícia Federal (PF) deflagrou uma operação contra suposta espionagem ilegal na Agência Brasileira de Inteligência (Abin), cujo um dos investigados é o ex-diretor da Abin e atual deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ), que liderou a agência durante o governo de Jair Bolsonaro (PL).

As investigações apuram a existência de uma Abin paralela, montada durante o governo Jair Bolsonaro (PL) para monitorar e produzir relatórios com uso de um software espião, e tem como alvo central o deputado Alexandre Ramagem, que é delegado da PF e ex-diretor da Abin.

A suposta organização criminosa teria funcionado dentro da Abin para monitorar adversários políticos da família Bolsonaro, além de proteger os filhos do ex-presidente de investigações.

A investigação da PF aponta que o software comprado sem licitação pelo governo de Michel Temer (MDB), em 2017, por R$ 9 milhões, durante a intervenção federal na área de segurança pública no Rio de Janeiro. O uso da ferramenta para este fim foi revelado em março do ano passado pela própria Abin.

O FirstMile é desenvolvido em Israel, pela empresa Cognyte (antiga Verint) e tem tecnologia de GPS para monitorar de forma ilegal a localização de celulares de servidores públicos, políticos, policiais, advogados, jornalistas, juízes e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Como funciona a ferramenta?

  • FirstMile usa um malware, um programa, que invade e acessa os dados de computadores.
  • Basta o envio de um email, mensagem de texto ou por WhatsApp para fazer a invasão do dispositivo. Um pendrive também pode ser usado para este fim.
  • Ele engana as redes de telefonia, encontra brechas, para rastrear o alvo do monitoramento.
  • Todos os dados do computador ficam disponíveis para o espião sem que a vítima saiba.
  • O programa emitia alertas cada vez que acontecesse uma movimentação do monitorado.
  • A localização aproximada dos celulares era apontada pelo programa.
  • A ferramenta permite o monitoramento de até 10 mil celulares ao mesmo tempo, a cada 12 meses.

Segundo a organização Data Privacy Brasil, o celular envia informações para antenas, que são ‘estações rádio-base’, espalhadas pelo país por meio de um protocolo conhecido por SS7.

O programa de computador tem a capacidade de enganar a rede de telefonia, bagunçando o protocolo de localização do dispositivo para localizar o celular. Estes dados de comportamento do celular ficam armazenados no sistemas das operadores de telefonia.

*Com informações do SBT News

© SDC - Todos os diretos reservados.