O condenado admitiu ter recebido propinas, inflado faturas, roubado peças e feito a dona do iPhone pagar por itens e serviços nunca recebidos, dando um prejuízo milionário para a companhia.