Gregorio Dalbón considera que o detido não agiu sozinho e que o ataque pode ter sido planejado