Além de medida cautelar, Ministério Público do Rio Grande do Sul sugere a “entrega da criança a membro da família natural ou extensa em condições de cuidá-la”